Notícias


Criança Não Trabalha

10/06/2020

Criança Não Trabalha

Doze de junho é o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. A data foi instituída pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), em 2002, para conscientizar sociedade, trabalhadores, empregadores e governos do mundo todo contra o trabalho infantil. 

Toda criança tem direito ao lazer, à educação e à saúde, mas nem sempre é assim. No Brasil, quase 1 milhão de crianças trabalham ilegalmente. São crianças e adolescentes de 5 a 17 anos que atuam na indústria, no comércio e na agricultura. Nosso país é historicamente marcado pelos níveis da desigualdade e da pobreza, que são ao mesmo tempo, causa e efeito do trabalho infantil. Parte dessa população atua nas piores formas de trabalho infantil, que são o trabalho doméstico, prostituição e tráfico de drogas (dados divulgados pelo Ministério Público do Trabalho - MPT). O trabalho infantil é ilegal e priva crianças e adolescentes de uma infância normal, impedindo-os não só de frequentar a escola e estudar normalmente, mas também de desenvolver de maneira saudável todas as suas capacidades e habilidades. Antes de tudo, o trabalho infantil é uma grave violação dos direitos humanos e dos direitos e princípios fundamentais do trabalho. 

Nossa Instituição acredita que a infância é para sonhar, aprender e conquistar. Por isso, o trabalho desenvolvido com as crianças ainda no Dentinho de Leite, garante os princípios básicos das leis de proteção à criança. E acima de tudo, é o espaço onde os pequenos alunos começam a reconhecer seus direitos e passam a exercer os deveres como cidadãos conscientes e transformadores dentro da sociedade. Não proteger a infância, é condenar o futuro e juntos, a parceria entre escola e família é fundamental para que possamos mudar esse triste cenário. Tudo começa pela Educação.

O trabalho infantil pode ser invisível no seu bairro, na sua cidade, mas ele existe e precisa ser combatido. Mesmo em caso de suspeitas, faça a sua denúncia (disque 100).


VEJA AS FOTOS

Clique na imagem para amplia-la


VEJA TAMBÉM


Outras notícias